Arquivo de Categorias: Apontamentos

Erros e desculpas

Leio esta manhã um artigo do Público – «Quando os políticos pedem desculpa pode ser por “sobrevivência” ou por “estratégia”», assinado por Mariana Tiago – que me parece conter uma perspetiva negativa e perniciosa para a observação pública da democracia. Pelos dois motivos que brevemente exponho. Em primeiro lugar por qualificar os «políticos» como uma espécie à parte, na qual a dimensão humana tem sobre si uma camada da conveniência e de calculismo que, a meu ver obviamente, se aplica apenas a alguns. Olhar os «políticos» como gente à parte – «eles», diz-se por vezes – é próprio do discurso populista, e se o artigo não se integra neste universo, na realidade alimenta-o. Em segundo, por não incluir uma única referência à dimensão ética que deve desejavelmente conter a atividade política e cidadã. Para a autora do artigo, e aparentemente, também para as pessoas que ouviu para o escrever, os «políticos» são necessariamente pessoas ambiciosas e opacas, não podem ser- e alguns são-no – apenas honestos, tanto quanto possível transparentes, e capazes de genuinamente reconhecer os seus próprios erros. Podendo esta prática reforçar até a grandeza de quem a assume.
[originalmente no Facebook]

    Apontamentos, Democracia, Olhares, Opinião

    Duas posições contra a paz

    O apelo, feitos por muitas pessoas que se têm manifestado a seu favor, à existência de um Estado palestiniano «do rio até ao mar», isto é, do Jordão ao Mediterrâneo, significa apoiar o fim do Estado de Israel e a inversão da condição de pária do povo palestiniano para o judeu. Ela nega, no fundo, a única solução possível, embora difícil, para a martirizada região e para os povos que a habitam: a existência de dois Estados independentes, política e economicamente viáveis, pacíficos e que, um dia, poderão até colaborar.

    (mais…)
      Apontamentos, Atualidade, Democracia, Olhares

      O inaceitável cerco ao PS

      Que fique muito claro: tendo muitíssimas pessoas amigas, ou que admiro, seja pelo que fazem ou apenas como seres humanos, na condição de militantes, de simpatizantes ou de votantes do Partido Socialista, sempre mantive em relação a este uma razoável distância crítica. Apenas por uma vez votei PS nas legislativas, jamais o fiz nas autárquicas e, nas presidenciais, só coincidimos no apoio dado a Mário Soares e depois a Jorge Sampaio. Afora estas ocasiões, somente em algumas importantes campanhas cívicas nos aproximámos.

      (mais…)
        Apontamentos, Atualidade, Democracia, Opinião

        O próximo cenário

        A decisão do PR no sentido de dissolver a Assembleia da República e convocar eleições não foi a melhor solução. Todavia, foi tomada em termos menos gravosos do que se chegou a supor, dado permitir a aprovação do Orçamento de Estado para 2024 e apontar para uma data eleitoral, 10 de março, suficientemente distante para deixar que o Partido Socialista se recomponha politicamente com nova liderança e uma linha política necessariamente revista. Se o não tivesse feito, deixaria por certo mais satisfeitos os partidos da direita e da extrema-direita que, com o apoio de uma comunicação social maioritariamente sensacionalista e manipuladora, por certo cavalgariam o ruído causado pelo estranho caso que forçou António Costa a pedir a demissão, condicionando desse modo a reflexão serena e a clara enunciação de propostas que as eleições legislativas sempre requerem.

        (mais…)
          Apontamentos, Atualidade, Democracia, Olhares

          A crise e o escrutínio

          1. É imprudente, e apenas resultado da ambição de poder ou de cegueira política, exigir eleições antecipadas neste momento. João Miguel Tavares, de quem habitualmente divirjo (e muito), explica porquê: o PS detém uma maioria absoluta no Parlamento; existe uma altíssima probabilidade de as próximas eleições virem a produzir uma solução governativa muito mais instável do que a actual; o PRR, com um Governo em gestão e meses de campanha eleitoral, poderá nunca vir a ser executado na totalidade; a TAP e o aeroporto ficarão congelados; a entrada em vigor do Orçamento do Estado será posta em causa; o PS não terá tempo para assimilar o que lhe aconteceu; e o PSD e a comunicação social não terão tempo para escrutinar Luís Montenegro e a sua equipa.

          (mais…)
            Apontamentos, Atualidade, Democracia, Opinião

            António Costa

            Em especial nos tempos mais próximos, discordei de algumas opções políticas e de certas escolhas processuais de António Costa. Penso que essa usura do poder que, em regra, ao fim de um certo tempo vai afastando quem governa de quem é governado, por alguns tomada como inevitável, o foi afetando também. Não esqueço, todavia, o que lhe devo como a pessoa que em primeiro lugar, num gesto de ousadia política, nos libertou do governo de direita Passos-Portas-Troika, e do estado de empobrecimento e de depressão coletiva em que este desgraçado trio tinha mergulhado o país. Perante as circunstâncias – que mais parecem configurar uma espécie ‘sui generis’ de golpe de Estado – compreendo que não tivesse outra solução além daquela que escolheu, mas como não sou ingrato ou esquecido, nesta hora de despedida agradeço-lhe ter-nos devolvido o país. [Originalmente no Facebook]

              Apontamentos, Atualidade, Olhares

              O imperativo da paz e as «identidades assassinas»

              Uma frase de Camus, deixada em 1945 no jornal clandestino da Resistência Combat, proclamava que «a paz é a única batalha que merece a pena ser travada». Exprimia um sentido de justiça e um imperativo ético cuja formulação permanece atual. Neste artigo ajuda a sublinhar a necessidade de um combate pela paz entre a Palestina e Israel, possível num quadro de equilíbrio apenas alcançável através da solução de dois Estados independentes, livres e cooperantes, recomendada desde 1974 pela ONU com base na divisão territorial anterior a 1967. Após oito décadas de conflito sangrento e traumático, da intensa presença de ódios instalados, de interferências externas potencialmente trágicas e do sofrimento dos povos, sobretudo do palestiniano, ela será sempre dificílima de obter; no entanto, as alternativas são piores.

              (mais…)
                Apontamentos, Democracia, Direitos Humanos, Opinião

                O tal mapa de 1947

                A propósito do mapa da Palestina que anda por aí a ser reproduzido, datado de 1947, um ano antes da fundação do Estado de Israel, destinado a «provar» que não existia ali nenhum território chamado Israel. Desde já, isto não é verdadeiro, pois a designação existe na região há pelo menos três mil e trezentos anos. O primeiro registo histórico do termo Israel surge na Estela de Merneptá, documento epigráfico que celebra as vitórias militares do faraó Merneptá, datado do final do século XIII a.C. Depois, os judeus nunca deixaram de habitar a região, apesar de terem recomeçado a afluir em maior quantidade sensivelmente a partir de 1850, e mais ainda após o Holocausto. Depois ainda, toda aquela região, no mapa genericamente designada Palestina – na origem «terra dos filisteus» -, é uma manta de retalhos cultural, política, linguística e religiosa, combinada com traços comuns a todos os povos, incluindo judeus e palestinianos. Israel é também plural, apesar dos esforços dos conservadores belicistas e da extrema-direita sionista para o impedir. Finalmente, e para não cansar: imediatamente antes da independência de Israel o território, que havia sido controlado durante séculos pelo Império Otomano, era-o pela Grã-Bretanha. Situação colonial que se vivia na data do tal mapa. Quando não sabemos ou não queremos saber, um direito que nos assiste, o melhor é não falarmos à toa.
                [Originalmente no Facebook]

                  Apontamentos, Atualidade, História, Olhares

                  Análises & «Análises»

                  Análise, lembra o Priberam, é «um exame minucioso de uma coisa em cada uma das suas partes», podendo ainda incluir «a separação dos princípios componentes de um corpo ou de uma substância» e corresponder a «um exame que se faz de uma produção intelectual». Toda a vida, em que, a par do trabalho mais metódico ligado à atividade profissional, escrevi pequenos textos de circunstância que apenas exprimiam uma leitura simples ou uma opinião – comecei a escrever em jornais em 1970 precisamente com uma pequena rubrica de notas pessoais de um parágrafo chamada «Conta-Gotas» – fui-os vendo rotulados de «análises».

                  (mais…)
                    Apontamentos, Etc., Olhares

                    «Barbie» em 2023

                    O «Síndrome da Barbie» traduz o desejo de ter uma aparência física e um estilo de vida idêntico ao da boneca, lançada em 1959 pela Mattel. Ao longo de sucessivas gerações, tem sido associado a raparigas pré-adolescentes de origem caucasiana, embora possa ser aplicável a diferentes faixas etárias, géneros ou etnias. A síndrome é vista como uma forma de distúrbio dismórfico corporal e tem imposto determinados modos de parecer, estando associada a graves distúrbios alimentares ou a experiências de elaborada cirurgia estética. Juntamente com o seu «par» Ken, tem vindo também, ao longo de décadas, a servir para tornar hegemónica em muitas crianças uma noção de feminilidade ou de masculinidade profundamente formal, estática e contrária aos avanços no campo da igualdade de género e da diversidade no domínio da sexualidade.

                    (mais…)
                      Apontamentos, Atualidade, Olhares

                      JMJ: crítica e discriminação

                      Uma boa parte da opinião pública portuguesa, seja aquela que tem voz na imprensa e televisão ou a que se exprime principalmente através das redes sociais, tem vindo a fazer críticas à forma como se organizou e está a funcionar a Jornada Mundial da Juventude de 2023. Boa parte delas prende-se com o despesismo excessivo e absurdo, parcialmente levado a cabo com recurso ao erário público de um Estado que se autodefine como laico. Outra parte liga-se ao modo como o evento está a perturbar a vida corrente de uma boa parte de cidadãos que com ele rigorosamente nada têm a ver. Outra ainda, esta de uma natureza mais objetiva, respeita ao empenho da Igreja católica portuguesa no evento por comparação com a sua simultânea recusa em tomar posição sobre graves e provados comportamentos que têm sido imputados a muitos dos seus membros e colaboradores.

                      (mais…)
                        Apontamentos, Democracia, Direitos Humanos, Olhares, Opinião

                        Contradições e incoerência

                        As opções políticas, se feitas de uma forma honesta e de acordo com escolhas que, não podendo ser iAs escolhas políticas, se feitas de uma forma honesta e de acordo com escolhas que, não podendo ser imutáveis, devem necessariamente ser coerentes, não podem passar por tomar uma posição se o alvo tem um rosto, e outra, inteiramente oposta, se a sua cara é diferente. Não pode, por exemplo, defender-se a democracia em Portugal, no Brasil ou na Ucrânia, e, ao mesmo tempo, aceitar-se a autocracia na Rússia ou a ditadura na China e em Cuba. Como não pode, em processos de justiça seletiva, denunciar-se em alguns casos a guerra, o genocídio, a prisão e a tortura, omitindo-as em outras situações. Como não pode também julgar-se uma determinada reflexão pública – no campo do ensaio ou da crónica política, por exemplo – em função apenas do seu autor: boa, justa e para divulgar se vier de uma figura grada para determinado quadrante político, mas péssima e de rebater ou silenciar se vier de alguém de quem não se gosta, às vezes até por motivos pessoais. Isto para não falar, na linha da crónica de José Pacheco Pereira saída no Público deste sábado, de quem se diz defensor da nossa Constituição saída de Abril, mas ao mesmo tempo fecha os olhos, apenas porque pontualmente lhe convém, às intromissões do Presidente da República em matérias que não são da sua competência constitucional. Ainda que sobre alguns dos temas possa ter razão na parte ou no todo.

                          Apontamentos, Atualidade, Democracia, Opinião

                          Formatados (à volta da JMJ2023)

                          Esta manhã cruzei-me com milhares de jovens de passagem para a Jornada Mundial da Juventude, organizada em Lisboa, com trajetos regionais, pela Igreja católica. Nada contra a sua forma de manifestar fé ou de se divertirem e conviverem, embora julgue inaceitáveis os gastos com uma exibição de luxo e de suposta grandeza por parte da organização do evento, o que não é culpa deles.

                          (mais…)
                            Apontamentos, Atualidade, Olhares

                            Eleições em Espanha: quatro sinais positivos

                            Os resultados das eleições legislativas em Espanha abriram uma crise política sem uma solução para já à vista. Todavia, por certo que ela surgirá, seja sob a forma de uma grande coligação de partidos orientados basicamente à esquerda – com concessões a algumas pretensões autonomistas -, ou então apontando, o que seria basicamente negativo por introduzir um inevitável extremar de posições, para novas eleições. Seja como for, dos seus resultados, em boa parte inesperados, saíram diversos sinais essencialmente positivos. Para já, anoto quatro.

                            (mais…)
                              Apontamentos, Atualidade, Democracia, Opinião

                              O desastre estratégico de Putin

                              Quem observar a realidade mundial pós-invasão putiniana da Ucrânia perceberá que os objetivos do seu mentor – reduzir a área de influência dos EUA e assegurar a continuidade de uma estratégia de expansão e domínio não menos imperialista – perceberá que eles se traduziram num rotundo falhanço. Não só a Europa, apesar das suas diferenças, se aproximou mais política e militarmente, como a NATO viu reforçados o seu poder e a sua retórica de legitimidade.

                              (mais…)
                                Apontamentos, Atualidade, Democracia, Olhares

                                O incrível branqueamento de Berlusconi

                                Por incrível que possa parecer, estamos a assistir esta segunda-feira, em alguns órgãos de comunicação social e em recantos das redes sociais, a um branqueamento do trajeto de Silvio Berlusconi que acompanha a notícia da sua morte. É verdade que o empresário arrivista, devasso contumaz e político persistente «marcou Itália nos últimos 40 anos», mas fê-lo apenas porque, pioneiro na Europa da vaga de populismo que emergiu nos anos oitenta do século passado, foi por três vezes primeiro-ministro, marcando ao mesmo tempo o mundo dos negócios e do entertenimento no seu país.

                                (mais…)
                                  Apontamentos, Atualidade, Democracia, Olhares

                                  Informação, náusea e exaustão

                                  Se os jornalistas e os comentadores que circulam recorrentemente pelas redes sociais apenas à procura de sinais de escândalos, ou para rapinar assuntos e argumentos abordados por outras pessoas que depois desenvolvem nas suas próprias matérias com fumos de grande novidade, prestassem alguma atenção ao que por aqui se vê e refletissem sobre a forma como certos temas são aqui tratados – considerando este espaço, apesar dos grandes defeitos que possui, também como um barómetro – por certo poriam de parte rapidamente certos temas. Com os quais nos massacram diariamente e de manhã à noite, afastando audiências, obscurecendo o clima geral e prejudicando, afinal, tanto a sua profissão quanto a própria democracia.

                                  (mais…)
                                    Apontamentos, Atualidade, Jornalismo, Opinião

                                    O caso Vladimir Pliassov e a russofobia

                                    1. A propósito do «caso Vladimir Pliassov», o professor de língua russa e diretor do Centro de Estudos Russos da Faculdade de Letras Universidade de Coimbra, já aposentado embora dando aulas graciosamente, que depois de 35 anos de serviço foi agora afastado pelo Reitor, sem qualquer intervenção ou sequer conhecimento da sua própria faculdade, por real ou supostamente fazer «propaganda russa» e de Putin junto dos alunos e nas aulas, deixo aqui algumas palavras que em boa consciência não poderia deixar de escrever.

                                    (mais…)
                                      Apontamentos, Democracia, Opinião