Arquivo de Categorias: Olhares

Coimbra, o movimento estudantil e o 25 de Abril

É muitas vezes evocada a importância do movimento estudantil na resistência ao Estado Novo e o seu importante contributo para a queda do regime caduco e injusto que o sustentou. Infelizmente, esta evocação é com frequência bastante parcial, sendo acompanhada de um esquecimento de vários dos seus importantes momentos, escolhas e protagonistas. Esta tendência determina perspetivas incompletas, que relativizam o papel crucial e de longo fôlego, para a vitória da democracia, da intervenção política e cultural de sucessivas gerações de estudantes. Nos cinquenta anos de Abril, vale a pena mencionar esta lacuna centrando a atenção no caso de Coimbra e nos últimos anos do anterior regime.

(mais…)
    Coimbra, Democracia, História, Olhares

    Uma homenagem e um equívoco

    É hoje, 17 de Abril, quando se completam 55 anos sobre o episódio que desencadeou a «crise académica» de 1969, inaugurado em Coimbra pelo PR um mural de homenagem àquele momento que é centrado em Alberto Martins, então o presidente da AAC e o seu mais conhecido protagonista, dado o papel que teve ao pedir a palavra em nome dos estudantes. Parece-me bem e justo, embora discorde da forma como o episódio, que teve uma natureza coletiva e distendida no tempo, continua a ser recordado e representado como centrado num momento e numa só pessoa, que «apenas» foi instada – como a própria ainda há dias reconheceu num debate em que também participei – a falar em nome de todos.

    (mais…)
      Apontamentos, Democracia, História, Olhares

      Não banalizar o fascismo

      É de todo contraproducente, além de um erro histórico gritante, apelidar de fascismo o que não é fascismo, apenas porque o objeto assim apelidado corresponde a escolhas e atitudes que articulam com posições de natureza conservadora ou assumidamente de direita. A extrema-direita atual, tirando curtas franjas completamente retrógradas e que ainda sentem nostalgia pelos regimes fascistas do século passado, não é formalmente fascista: é antes populista e xenófoba, mas também neoliberal e defensora das possibilidades que a democracia lhe oferece. Chamá-la de «fascista» é anacrónico e instala a confusão, desarmando os cidadãos perante as suas iniciativas, de uma natureza bem diversa da dos fascistas do século passado.

      (mais…)
        Apontamentos, Atualidade, Olhares

        Um «fim de ciclo» de Abril?

        As últimas legislativas e a mudança de orientação política da governação coincidiram com o cinquentenário da Revolução de Abril, proporcionando, a par de uma maioria de sínteses, evocações e interpretações globalmente positivas, um conjunto de leituras e afirmações de sinal contrário. Este não emerge como fruto do acaso. Refiro-me ao surgimento, nos setores partidários de direita e de extrema-direita, em parte significativa do universo do comentário político público e mesmo junto de bom número de eleitores, de posições que qualificam este momento do nosso trajeto coletivo como «fim de ciclo». Alguns, mais afoitos ou embalados por um clima de impunidade sobre quem se declara contra a democracia, têm falado até de «enterrar o 25 de Abril».

        (mais…)
          Atualidade, Democracia, Olhares, Opinião

          Afinal, andávamos bastante enganados

          No final do século passado, quando da emergência na Europa e nas Américas da atual vaga da extrema-direita populista, mantinha-se em Portugal, entre quem observava a paisagem política sob uma perspetiva democrática, a convicção de que ela jamais cá chegaria. Em diferentes quadrantes, no campo plural da esquerda, mas também entre setores moderados do centro-direita, cultivou-se a ideia de que a memória da ditadura, a inclusão na União Europeia e as conquistas de Abril e da democracia – capazes de erguer um país muito mais livre, próspero, pacífico e justo do que aquele desaparecido em 1974 – seriam o bastante para desviar para bem longe aquela negra nuvem. 

          (mais…)
            Atualidade, Democracia, Olhares, Opinião

            O óbvio, antes que esqueça

            Parece-me mais ou menos óbvio que nesta altura de viragem entre nós, o combate da esquerda plural, tanto no isolamento e no afastamento do populismo de extrema-direita como na busca para procurar evitar perder os inegáveis, ainda que sem dúvida insuficientes, avanços progressistas gradualmente obtidos a partir de 2015, passa por uma aproximação política e até orgânica das suas partes. Defendo-o há muito, se bem que quase sempre a nadar contra as marés do sectarismo ou da simples cegueira política. Isto não exclui, é claro, as diferenças, algumas bastante fortes e históricas, que existem entre as suas partes, mas tende a relevar, e sobretudo a desenvolver, aquilo que, no essencial, se não as une, por certo as pode aproximar.

            (mais…)
              Apontamentos, Democracia, Olhares, Opinião

              Longe da vista, longe da cabeça

              No século XIX um conjunto de teóricos urbanistas defendeu, diante do crescimento das cidades e da sua população marginalizada e politicamente instável, a necessidade de afastar as «classes pobres» para as periferias das cidades. Assim, pensavam, se reduziria o perigo que representavam para os poderosos, e os centros urbanos seriam mantidos mais bonitos, mais limpos e mais tranquilos. Na Paris dos meados desse século foi particularmente importante a atividade do perfeito Barão Haussman, o «artista demolidor». O projeto de renovação da cidade que levou a cabo teve como objetivo, além de tornar a cidade de certo modo mais bela e imponente, pôr termo às constantes revoltas populares e barricadas. Ao mesmo tempo, serviu para expulsar os antigos moradores das ruelas centrais e aqueles que, havia pouco tempo, ali tinham afluído vindos das áreas rurais. Para a burguesia parisiense, em breve essa população se tornou uma realidade quase inexistente, confinada a escassas e necessárias atividades importantes para o aprovisionamento da capital.

              (mais…)
                Apontamentos, Atualidade, História, Olhares, Opinião

                O que pode fazer-se?

                Todas as pessoas de formação progressista, e também, não tenho qualquer dúvida, um bom número das que são estruturalmente conservadoras ou mesmo de direita, embora de formação democrática, estão em choque com a semi-vitória do Chega nas eleições do passado domingo. Ainda que ela fosse esperada, existia sempre um esperança de as sucessivas sondagens estarem enganadas, mas se o estavam foi porque pecaram por defeito. A verdade é esta, bem crua: em cada mil eleitores, 180 votaram num partido sem um programa claro, para além de um cúmulo de ódio de natureza racista, xenófoba, contra a igualdade de género, homofóbica, e igualmente passadista, antieuropeia e apostada no desmantelamento do Estado social, seja no campo da saúde, da educação, da segurança social ou da cultura. A meta é, destruir a democracia, trocando-a por um populismo desvairado de extrema-direita, ou, como proclamava um apoiante mais sincero desse partido, «acabar com o 25 de Abril».

                (mais…)
                  Atualidade, Democracia, Etc., Olhares, Opinião

                  Oito notas quase telegráficas sobre as legislativas

                  Antes de um texto mais extenso e minimamente fundamentado, algumas notas, contendo ideias avulsas e ainda um tanto desarrumadas, a propósito das eleições deste domingo.

                  1. O grande vencedor foram as televisões e alguma imprensa, que, em favor da direita, conseguiram condicionar o eleitorado. Justamente em condições de crescimento económico e de melhoria gradual de vida no país, ainda que com naturais problemas, disseminando uma inventada imagem de caos e de corrupção, e quase apagando a memória dos anos terríveis e que se supunham traumáticos do governo de direita de 2011-2015. Isto no ano do cinquentenário de Abril.

                  (mais…)
                    Atualidade, Democracia, Etc., Olhares, Opinião

                    Um dia que não é como os outros

                    Sempre me pareceu dispensável o «dia de reflexão». Refiro-me às vinte e quatro horas que, entre nós e em mais alguns países, antecedem cada jornada eleitoral, sendo durante elas proibida qualquer iniciativa julgada perturbadora do sentido do voto ao influenciar, direta ou indiretamente, o eleitor. Por este motivo, além de as campanhas partidárias terminarem quando elas se iniciam, não podem então ser transmitidas, di-lo a Comissão Nacional de Eleições, «notícias, reportagens ou entrevistas que de qualquer modo possam ser entendidas como favorecendo ou prejudicando um concorrente às eleições em detrimento ou vantagem de outro». Ainda assim, não vamos tão longe por cá quanto os argentinos, que durante dois dias suspendem até as peças de teatro e os concertos. 

                    (mais…)
                      Atualidade, Democracia, Etc., Olhares, Opinião

                      A mentira colossal (e perigosa) de Passos

                      Por momentos, vou relevar aqui tudo aquilo que Passos Coelho simboliza para quem, de uma forma justa e informada, observou e se recorda do que foi viver em Portugal entre 2011 e 2015, após ter falhado praticamente todas as promessas que tinham feito dele primeiro-ministro. Concentro-me, apoiado nos números avançados hoje no Público pela jornalista Bárbara Reis, na colossal mentira, apresentada embora como «sensação» – um fator que, como sabemos, pode significar tudo, nada ou algo mais ou menos parecido – avançada por Passos no comício do PSD no Algarve: «Precisamos de ter um país aberto à imigração, mas cuidado, precisamos também de ter um país seguro. O Governo fez ouvidos moucos e hoje as pessoas sentem uma insegurança que é resultado da falta de investimento que se deu a essas matérias.» Isto é, procurou usar uma das ideias-chave da direita populista para mobilizar eleitores contra a esquerda, acabando, algo absolutamente indigno de um ex-governante, por ajudar a espalhar um medo não-fundamentado, assim enganando quem o ouve e (em alguns casos) ainda respeita.

                      (mais…)
                        Acontecimentos, Atualidade, Democracia, Olhares, Opinião

                        Os dois «choques» e o canto da sereia

                        Os dois maiores partidos, sobre os quais nestas eleições legislativas irá cair necessariamente, ainda que muito provavelmente com parceiros à direita ou à esquerda, o ónus da governação, apontam para estratégias de transformação da economia não apenas diferentes, mas nitidamente opostas. Serão elas, ainda que possa ser outro o quadrado no qual iremos riscar a nossa cruz, a determinar as vidas de todos nós nos anos que se avizinham.

                        (mais…)
                          Democracia, Olhares, Opinião

                          O humor em tempos sombrios

                          A expressão «tempos sombrios» é muitas vezes utilizada tendo como referência uma obra de Hannah Arendt onde esta reuniu um conjunto de ensaios biográficos sobre homens e mulheres que tiveram a coragem, através das suas vidas e da sua obra, de manter a independência de pensamento e de resistir aos fascismos em ascensão nas décadas que antecederam a Segunda Guerra Mundial. Tendo em conta o longo período de luminoso otimismo que na maior parte da Europa e das Américas se manteve entre o pós-guerra e os anos 80, marcado pelo crescimento económico, pela ascensão da classe média, pela evolução da democracia representativa e dos ideais de igualdade, pela expansão do Estado-Providência e pela valorização da emancipação, da liberdade e da diferença, usar hoje a expressão pode parecer estranho.

                          (mais…)
                            Atualidade, Democracia, Olhares, Opinião

                            Os jovens e a atração maioritária pela direita

                            Muitos estudos fiáveis apontam para que uma maioria dos jovens com direito de voto tendam a confiar na direita ou mesmo na extrema-direita. Isto não significa que um grande número de pessoas com menos de 25 anos não tenha uma posição diferente ou mesmo adversa a essa; felizmente, elas existem, mas ainda assim a tendência é inegável. Ela é, aliás, transversal à generalidade dos Estados europeus e americanos. Ainda que de forma breve e exploratória, é possível vislumbrar um conjunto de fatores que, isoladamente ou combinados, tendem a produzir esse efeito. Correndo o risco de ser muito incompleto, ou mesmo de falhar alguns muito importantes, aponto aqui para seis, avançados sem qualquer ordem de importância.

                            (mais…)
                              Atualidade, Democracia, Olhares

                              O dogmático falhado

                              Poucas vezes escrevo apontamentos num registo autobiográfico. Entre outros motivos, porque sei que a autobiografia é sempre complacente e, em consequência, porque experimento algum pudor em expor aos outros essa indulgência. Porém, de vez em quando lá liberto um episódio, no qual, de uma forma óbvia, aos meus próprios olhos sairei bastante favorecido. Este é a propósito da tendência natural que tenho para resistir ao pensamento dogmático e às atitudes que, por fé, medo ou ignorância, excluem o olhar sempre crítico, embora em regra convicto, que nesta vida procuro manter.

                              (mais…)
                                Apontamentos, Democracia, Devaneios, Olhares

                                Maus debates, pobres comentários

                                Os debates televisivos sobre as eleições têm sido um fiasco e revelam-se muito pouco úteis para quem os procure para genuinamente esclarecer o seu sentido de voto. Têm pouco tempo disponível e decorrem apressadamente, são constantemente interrompidos por moderadores agressivos que têm a sua própria agenda, e organizam-se como combates de galos, onde se espicaça sempre a agressividade. Não por culpa de todos os políticos presentes – pelo contrário, excetuando Ventura e o rapaz da IL, que estão ali precisamente para dar espetáculo grátis -, mas devido ao modelo escolhido e aos interesses das televisões, empenhadas em nivelar por baixo e assim obter melhores audiências.

                                (mais…)
                                  Apontamentos, Democracia, Olhares, Opinião

                                  A quem serve a ideia de «crise social»?

                                  Todos os índices oficiais conhecidos – sejam sobre o crescimento económico, a situação do desemprego, a segurança dos cidadãos ou os direitos humanos – apontam para que vivamos num país onde, mesmo que apenas à escala europeia, e num contexto global de grande incerteza, com algumas nuvens negras no horizonte, a vida da maioria das pessoas decorre num patamar positivo. Ou pelo menos tranquilo. Não que não existam desigualdades e injustiças, problemas nos serviços de saúde e na habitação, setores profissionais descontentes ou com problemas bem reais. Mas isto acontece como em todas as democracias e, muito pior do que nestas, em todas a ditaduras.

                                  (mais…)
                                    Apontamentos, Democracia, Olhares

                                    A perigosa ascensão do Chega

                                    A sondagem que acaba de ser divulgada esta sexta-feira, realizada pelo ISCRE/ICS para a SIC e para o Expresso, oferece números bastante impressionantes, quer sobre a previsível subida da extrema-direita do Chega, que atinge já os 21% das intenções de voto, contra 29% do PS e 27% da coligação PSD-CDS, quer sobre a possível descida global da esquerda à esquerda dos socialistas, que junta apenas 9% (com 5% do BE, 3% do PCP e 1% do Livre). À parte, a Iniciativa liberal, assumidamente de direita, reúne 5%, enquanto o PAN, que não se percebe bem se é carne ou peixe, mantém-se em 1%. São apenas indicadores, naturalmente, e há uma campanha pela frente, mas exprimem uma tendência muito preocupante, traduzida numa alteração visível de boa parte do mapa político que tem acompanhado a nossa democracia.

                                    (mais…)
                                      Atualidade, Democracia, Olhares, Opinião