Arquivo de Categorias: Oficina

Eu, este blogue e o Arrastão

A partir de hoje faço parte – em conjunto com o Daniel Oliveira, o Pedro Sales e o Pedro Vieira, agora também com o Bruno Sena Martins, o João Rodrigues e o Sérgio Lavos – do septeto que concebe, produz e realiza o Arrastão. Um blogue de esquerda, com a batida cardíaca centrada no comentário de actualidade política, que passa a agregar uma maior diversidade temática e estilística.

Transitar de um blogue em solo absoluto, com uma média diária de 320 visitas, ampliada apenas em ocasiões especiais, para outro, colectivo e com doze ou treze vezes mais, irá impor um tom e uma argumentação um pouco diferentes daqueles que podem ser encontrados aqui. Mas acredito que possa ser uma boa experiência, assim eu aguente a pedalada, já que há mais (e muita) vida do lado de fora da blogosfera.

Sei que A Terceira Noite tem características particulares e um padrão de visitante que nem sempre gosta de espaços ruidosos e movimentados. Por isso, não só uma parte dos textos que irei publicando no Arrastão será reproduzida aqui, como outros – notas de leitura, apontamentos dolentes, delirantes ou entusiásticos, textos vindos de experiências menos colectivas – continuarão a ser editados apenas neste lugar nocturno. Descansem pois os visitantes certos, as obstinadas leitoras, que lhes não fugirei, assim queiram seguir-me neste subúrbio. Mas fica o convite para aparecerem pela nova morada.

    Novidades, Oficina

    Prémios e galardões

    Tal como acontece com outros, este blogue recebe de vez em quando prémios de qualidade e galardões concedidos individualmente por amigos e leitores que o visitam e lhe reconhecem algum mérito. O último é o «Vale a pena ficar de olho nesse blogue». Há cerca de dois anos, porém, após uma vaga de distinções, resolvi não participar mais em cadeias do género, tendo-o explicado na altura às pessoas envolvidas. A minha escolha teve e mantém dois motivos: primeiro, penso que apenas são relevantes como prémios públicos aqueles atribuídos por um colectivo com base em critérios conhecidos; segundo, a multiplicação de distinções desta natureza acaba por banalizá-las. Sei que a opção é muito discutível, e por isso peço a quem simpaticamente tem premiado este blogue que a entenda e aceite.

      Oficina

      Woofer

      Woofer

      Admito que não mantenho a melhor das relações com o Twitter. Sei que pode ser uma arma estupenda, particularmente em regiões do planeta – como o Irão, a China, Cuba ou a Bielorrússia – nas quais o controlo da informação exige a quem procura fazer correr uma informação livre que se sirva de meios menos convencionais. Pode também ser útil ou até divertido na partilha diária de informação específica ou mesmo para a conversa informal. Mas não vou muito à bola com o dito.

      As razões da minha desconfiança têm uma origem dupla. Desde logo porque o padrão das intervenções obriga a que só possa manter uma conversa com algum nexo quem disponha de muito tempo para estar ligado, o que não é manifestamente o meu caso. Este condicionamento prende-se com o número de pessoas que é capaz de escrever diariamente 30, 50, 100 mensagens sucessivas, tornando quase instantaneamente invisíveis os outros «seguidores» de quem os segue. E depois porque ocorre neste território um tipo de intervenção que sinceramente me aborrece: o das pessoas que dizem qualquer coisa para encherem os 140 caracteres e fazerem um, mais um e outro «update». Ainda que essa «qualquer coisa» seja recomendarem diariamente dezenas de livros, filmes, sites, discos, que obviamente jamais leram, viram, seguiram ou ouviram com um mínimo de atenção. Ou escreverem a alguém, em canal aberto, o mesmo que escreveriam num mail ou numa vulgar sessão de chat.

      Por isto me parece interessante o aparecimento de uma nova rede social, o Woofer, que exige mensagens com um mínimo de 1.400 caracteres, não aceita operações de copy-paste consecutivas, e requer assim, pelo menos em princípio, uma conversa muito mais pausada e substantiva. A página principal do Woofer diz-nos aquilo que poderemos então fazer com os 1.260 caracteres mínimos que podemos agora somar aos indigentes 140 que o Twitter nos permite digitar: «evitar abreviaturas», «usar advérbios», e sobretudo ter condições para «ser eloquente». Talvez valha a pena ficarmos atentos a esta experiência, apenas a começar.

        Apontamentos, Cibercultura, Oficina

        Volto já.

        Recarga

        Não, o blogger não perdeu a voz nem desapareceu em combate. Passa só por uns quantos dias de letargia, como sempre menos que os desejados, para recarregar as pilhas e poder retomar a marcha com um pouco mais de força de braços.

          Apontamentos, Oficina

          Pintura e reparação

          Como terão reparado, decorreram por aqui trabalhos oficinais. Nos últimos tempos, alguns leitores queixavam-se de dificuldades no acesso e, após umas quantas experiências falhadas, parece que a solução estava afinal na mudança de tema. O trabalho de pintura e reparação não está finalizado, mas as coisas aparentam agora funcionar sem problemas. Além disso, julgo que tudo se lê e vê melhor. Agradece-se o feedback e a paciência.

            Oficina

            Eu, amigo de mim mesmo

            O sonâmbulo

            Recebi um aviso do Facebook no qual se podia ler o seguinte:

            Rui Bebiano added you as a friend on Facebook…
            Rui added you as a friend on Facebook. We need to confirm that you know Rui in order for you to be friends on Facebook.
            To confirm this friend request, follow the link below:
            […]

            Devo esclarecer que, por muito amigo que seja de mim mesmo – e sou-o, admito – não fui eu quem mandou este pedido de amizade a mim próprio. Embora por breves momentos tenha colocado a possibilidade de o ter feito em estado de sonambulismo. Diversas pessoas, algumas das quais minhas conhecidas, receberam idêntico convite, pelo que, como o fez certo dia o famoso Inspector Artur Varatojo, venho comunicar por este meio, a quem tal possa interessar, que no caso em apreço não sou bem aquele que vos dizem que sou. Esse é outro, ele próprio. Esse, não este. Se é que me faço entender.

              Devaneios, Oficina

              As visitas

              As visitas

              Como era de esperar, a mudança de morada deste blogue trouxe consigo uma redução temporária (espera-se, claro) dos acessos. Neste momento, para pouco mais de um terço do que ocorria ainda há poucos dias. Parte desta redução deve-se a que muitos visitantes chegam ao blogue através de motores de busca ou de posts citados que apontam para a outra direcção. Mas existe uma porção significativa de acessos que chega através das listas oferecidas por outros blogues ou dos favoritos guardados nos browsers. Pede-se por isso aos amigos e interessados n’A Terceira Noite que não se esqueçam de actualizar essa informação. Entretanto, devido à extensão da nova barra lateral, a lista completa de blogues recomendados encontra-se agora na página Blogues.

                Etc., Oficina

                O meu lado geek

                Jobs e Gates

                Em tempos discuti quase até à exaustão se a Apple era o Jardim das Delícias e a Microsoft tinha a face horrenda de Behemoth. Ou se as coisas se passavam rigorosamente ao contrário. Hoje, fora dos círculos que avaliam as grandes fortunas do mundo, parecem-me um tanto despropositadas as pequenas e médias batalhas dos adeptos de Mr. Jobs com os seguidores de Mr. Gates. Deixei-me de maniqueísmos: trago sempre comigo um Apple iPod Classic, daqueles de 120 Gigas, a luz dos meus dias que me ilumina as noites, mas aborrece-me a canonização do Apple iPhone que se encontra a decorrer. Já falei do assunto quando da saída da engenhoca. Agora limito-me a recomendar o meu fiel companheiro, que bate aos pontos, em praticamente tudo, o produto da Apple. É da HTC, responde por Touch HD, vem equipado com o sistema operativo Windows Mobile 6.1 e um ecrã de quase 4 polegadas. Mais agenda, telefone, álbum de imagens, processador de texto, folha de cálculo, e-mail, Internet (incluindo o Twitter), dá-me música, tem rádio e gravador de som, tira fotografias e regista vídeos, reproduz filmes, dá para ligar directamente ao YouTube, fala-me do estado do tempo em tempo real, tem GPS mais Google Maps, e por aí fora. Até fala sozinha, a coisa linda, vulcânica debaixo de uma capa de sobriedade. Uma só desvantagem, que eu não sou faccioso: a câmara de 5 Megapixéis não tem flash. Mas a do iPhone também não.

                  Atualidade, Cibercultura, Oficina

                  O literalista

                  A biblioteca

                  Socorrendo leitores compulsivos deste blogue «reaccionário» – estou a citar – capazes de levarem a sua filantropia ao ponto de considerarem que ele não se percebe, mas continuando ao mesmo tempo a consumir algum do seu precioso tempo a lê-lo e a oferecerem palpites, em vez de irem passear o cachorro ou de passarem um serão a ouvir cassetes de 90′ da Orquestra e Coros do Exército Vermelho (pentear macacos também pode ser uma boa alternativa, embora à noite o Zoológico esteja fechado), aqui vai uma dica: literalista é um adjectivo e um substantivo dos dois géneros que se refere àquele ou àquela que, por opção ou inépcia, se restringe à interpretação literal dos textos. Melhor não sei explicar.

                    Oficina, Olhares

                    «Destes, gosto mesmo!»

                    Queridos amigos,

                    Foi lançada uma nova corrente destinada a sugerir a cada blogger nacional que mencione 15 blogues dos quais gosta muito, desafiando-se depois os «premiados» a continuarem a iniciativa passando a palavra àqueles que nomeiam. Em poucas horas, este blogue foi já citado algumas vezes, o que só honra o seu autor e, claro, confirma o bom gosto de quem o escolhe como companheiro de jornada. Agradeço muito a sua prova de confiança, embora não possa prometer amor eterno. Não vou seguir a cadeia, entre outras razões, porque se em 3 ou 4 é fácil excluir alguns, em 15 a escolha pode converter-se numa afronta aos rejeitados, e eu tenho o bom-nome, a segurança física e uma posição no mercado a salvaguardar. Mas aqui irei deixando ficar uma referência a quem premeie este blogue e eu tenha a possibilidade de detectar esse gesto da mais elementar justiça.

                    «Gostam mesmo» d’A Terceira Noite e ela deles (bom, quase sempre): blogOperatório, Corta-Fitas, Delito de Opinião, Der Terrorist, Entre as Brumas da Memória, Estado Sentido, Hoje Há Conquilhas, Amanhã Não Sabemos, O Amor e Outros Desastres, Segunda Língua.

                      Cibercultura, Oficina

                      Delito no ar

                      Não sei qual a gavetinha na qual vai ser metido o novo blogue Delito de Opinião. Sei que integra algumas pessoas que me habituei a apreciar pelo rigor da escrita, a capacidade de afirmarem convicções e a frontalidade da opinião. Mesmo quando delas possa discordar um pouco ou algo mais. A seguir, sem qualquer dúvida.

                        Novidades, Oficina

                        Obrigado

                        Neste reinício de viagem para quem faz as suas contas do tempo pelo calendário gregoriano, quero agradecer, do fundo dos neurónios e do coração, a todos aqueles e a todas aquelas, contados já na escala das centenas, que têm colocado A Terceira Noite nas suas listas de destinos recomendados (sabe-se lá porquê, o Technorati não as desvenda a todas). E muito particularmente a quem incluiu agora este blogue no seu rol das preferências anuais. Obrigado pelo interesse e pela paciência de Job.

                          Etc., Oficina

                          Meia palavra basta

                          Tandem

                          Exibo por vezes, de um modo aparentemente insensível às preocupações colectivas, atitudes ou comportamentos voltados para mim mesmo (sou um nada egocêntrico, admito). Cultivo, tanto quanto sou capaz e as circunstâncias me deixam, a independência das acções e do pensamento (individualista até às entranhas, difamam os mais próximos). E só gosto de multidões se entre elas puder circular incógnito. Tenho, por isso, alguma dificuldade em participar em blogues colectivos. Embora já o tenha feito no Sous les Pavès, la Plage e em A Estrada, ambos de boa memória (ainda um dia embaraçarei os meus antigos companheiros falando aqui dessas experiências), e agora, con mucho gusto, milite nos Caminhos da Memória e em Os Livros Ardem Mal. Mas quanto mais conheço alguns daqueles blogues que frequento todos os dias, constantemente envolvidos nos seus combates um tanto umbiguistas de Alecrim e Manjerona, mais razão dou a mim mesmo para, como Harpo Marx, continuar a esforçar-me por praticar aqui o solo absoluto. Manias. Ou, como diria o meu Tio Fulgêncio, cismas.

                            Etc., Oficina

                            O Prémio Dardos

                            Que não se assanhem nem se abespinhem os amigos que têm concedido a este blogue a honra dos dardos. Aos primeiros que o fizeram, ainda remeti uma missiva declarando que há cerca de um ano decidi e fiz constar por entre tôdolos povos somente entrar em cadeias se o meu senhor rei Ricardo, o do Coração-de-Leão, tal me ordenar. Mas por ora, bem medida já uma boa dúzia de probos cavaleiros e de ínclitas damas que me concederam semelhante benesse, muito agradeço que contenham os seus nobres gestos. Sei ser insigne o seu intento e que nenhum deles será sequaz do execrado Xerife de Nottingham, mas rogo encarecidamente que cuidem de entender a minha vontade. Mui penhorado de vosoutros me quedo, cuidando eu também das minhas orações que vos incluem, em assaz risonho quão pacífico ermo. Thank you!

                              Oficina

                              O que eles querem (ou: o poder do amor)

                              Um exercício fácil e recorrente, praticado por muitos bloggers, consiste em procurar saber quais são as palavras ou frases que por mediação dos motores de busca fazem chegar até aos seus blogues pessoas que neles não entrariam de outra forma. Há já muito tempo que o não fazia, aqui n’A Terceira Noite. Eis pois o top-30 actualizado dos termos mais invocados desde o seu arranque.

                              amor – purga em angola – sexo – sexo oral – garganta funda – anos 60 – rui bebiano – gina lollobrigida – pornografia com crianças – pornografia – leitura – gianna maria canale – folclore regional – sofia loren – ciclopes – boletim meteorologico – colunex – vicio – rosalind franklin – pernas – che guevara – rabos – lindas – tango – mulheres vadias – kamasutra – puta – óculos para a noite – smoking – sapatos vermelhos

                              Apenas por esta amostra, temo que os futuros arqueólogos da blogosfera possam ficar com uma impressão um pouco estranha a meu respeito. Espero que após lerem este post procedam à crítica das fontes e reconheçam a minha idoneidade.

                                Etc., Oficina