Quatro notas sobre a queda do Muro

Fotografia de Jessica H

1. Vinte e cinco anos após a derrocada do Muro de Berlim, boa parte do seu cenário permanece na nossa memória partilhada. Mais que uma incomum fronteira física, ele constituía uma metáfora, e as metáforas não se apagam a meros golpes de vontade e picareta. Do lado ocidental, uma pesada vedação de 155 quilómetros contornava todo o perímetro da parte da cidade que não fora ocupada pelo Exército Vermelho. Era possível tocar o betão que lhe dava solidez, sobre ele podiam pintar-se palavras de ordem, escalando até uma posição confortável conseguia observar-se de longe o hermético «Leste». Do lado oriental, o Muro era cinzento e deprimente, eriçado de arame farpado, ladeado por uma terra de ninguém minada e perigosa para qualquer leste-alemão que tentasse uma mera aproximação ao carcinoma do capitalismo. Em cada metade de Berlim, viva-se uma existência esquizofrénica que concebia a realidade a partir de duas escalas que simultaneamente se olhavam e ignoravam. Como se uma não pudesse viver sem a outra, aceitando-se na certeza de que a proximidade se materializava numa distância que condenava cada modelo à inflexível clausura. O Muro representava a metáfora suprema da simetria que a Guerra Fria impunha.

2. A surpreendente festa libertada na madrugada de 9 de Novembro de 1989 – nem as manifestações, cada vez maiores, iniciadas em Leipzig dois meses antes, preludiavam tal desfecho – teve tanto de espontâneo e de natural como de objeto de incredulidade e embriaguez por parte de quem nela participou ou de quem, por todo o mundo, a acompanhou em direto através da televisão. À exceção dos entrincheirados defensores do modelo inflexível do «socialismo realmente existente», para a maioria dos alemães e dos europeus era visível o estado caótico do sistema económico da RDA, a decrepitude e o isolamento dos seus dirigentes, a interferência crescente da repressão e da censura, a ausência de respostas para as ambições de uma geração que as organizações do partido único já não enquadravam, a dissensão instalada entre os criadores e os intelectuais, o descontentamento manifesto de cada vez mais trabalhadores. Essa perceção havia tornado inevitável a transformação de qualquer sinal de mudança, por mínimo que fosse, numa via aberta de esperança. Independentemente desta ter ou não uma dimensão programática e sustentada. A vaga de transformações no leste europeu que se sucedeu ao fim do Muro, estabelecendo um ponto de viragem na história recente do qual o historiador marxista Eric Hobsbawm se serviu para balizar o termo do «curto século XX», tornou-se por isso imparável e irreversível.

3. Todavia, a realidade não foi simpática para as expectativas. Um quarto de século depois dos acontecimentos festivos, grande parte dos anseios e ilusões libertados está por cumprir. Tornou-se rapidamente visível que o capitalismo, lançado ele próprio numa situação de crise da qual conhecemos hoje a faceta mais sombria, não estava em condições de oferecer o hipotético paraíso que muitos dos alemães de leste e dos habitantes dos autoproclamados países socialistas acreditavam existir. As contradições agudizaram-se em pouco tempo, oligarquias exploraram no terreno a dissolução dos regimes fortes, que havia deixado a maioria dos cidadãos desprotegidos diante da barbárie neoliberal ou até de organizações criminosas. O próprio ideal comunista, tal qual era entendido pelos partidos no poder, implodiu e não soube recompor-se, procurando os seus herdeiros reunir os cacos de um sistema e de um modo de vida, sem grandes preocupações em repensar a realidade de um mundo em rápida mudança. Adaptando o ideal de solidariedade social e de governo para as maiorias a uma lógica capaz de integrar os valores da liberdade política, de expulsão da tirania do Estado e de aproveitamento das forças dinâmicas da sociedade para o crescimento da felicidade e do bem-estar dos cidadãos. Mas até nessa missão falharam.

4. Grande parte da esquerda não filiada nos partidos comunistas tradicionais – estes em boa parte irmanados na defesa do modelo que a queda do Muro remetera para os livros de História ou para os estudos de Ciência Política, e tantos têm sido escritos sobre o que aconteceu neste quarto de século –, não deixou de avaliar positivamente as transformações operadas após 1989. Embora, como lhe competia, rapidamente se lançasse também num processo de leitura crítica da degradação dos sistemas emergentes no leste europeu a partir dessa data. Mas essa não foi a atitude geral: entre nós, não deixa de ser sintomática a forma como alguns setores da esquerda jamais se libertaram dos fantasmas da Guerra Fria e têm encarado a data que agora se evoca. Em texto publicado no jornal Avante!, a direção do Partido Comunista Português reescreve a história, lançando um anátema sobre a «chamada queda do Muro», comemorada «pela direita e pela social-democracia», e retomando o argumento de que o seu levantamento fora determinado pelo ocidente para «conter o comunismo» e não pelas autoridades soviéticas e leste-alemãs para impedir a fuga maciça de cidadãos para a área controlada pelas potências ocidentais. Já o Bloco de Esquerda, apostado a dado momento numa estratégia de dissolução gradual das diferenças em relação ao PCP e na desvalorização da dimensão libertária e de combate às experiências burocráticas e autoritárias que durante anos lhe garantiu boa parte do crescimento eleitoral, tem evitado o tema. Tanto tempo depois, também entre nós a queda do Muro conserva as suas ondas de choque. E continua a oferecer as suas lições.

    Atualidade, História, Memória, Opinião.